Baltashow Notícias

Alunos bolsistas do ES selecionados para irem à Nasa fazem vaquinha para viajar

Destaques

Alunos bolsistas do ES selecionados para irem à Nasa fazem vaquinha para viajar

Eles estudam em escola particular de Vitória após terem sido selecionados por boas notas através de instituto. Viagem custa cerca de R$ 30 mil e será em outubro de 2020.

Filha de uma auxiliar de serviços gerais e moradora de um bairro simples na Serra, no Espírito Santo, a adolescente Allanis Corrêa, de 15 anos, está perto de realizar o sonho de visitar a Nasa. Ela e outros três alunos bolsistas estão entre os 16 selecionados de uma escola particular de Vitória para uma visita técnica ao Kennedy Space Center, estação espacial nos Estados Unidos.

Para custear a viagem, os adolescentes organizaram ‘vaquinhas’ na internet e já arrecadaram boa parte da quantia necessária.

 
Quatro bolsistas pelo Instituto Ponte foram selecionados para ir à Nasa — Foto: Reprodução/ InstagramQuatro bolsistas pelo Instituto Ponte foram selecionados para ir à Nasa — Foto: Reprodução/ Instagram

Quatro bolsistas pelo Instituto Ponte foram selecionados para ir à Nasa — Foto: Reprodução/ Instagram

A escola onde os adolescentes estudam participa há alguns anos da Jornada Internacional de Ciência e Tecnologia, que tem como objetivo buscar jovens talentos nas áreas de Tecnologia, Engenharia, Ciência e Matemática. Para isso, são escolhidos os alunos com os melhores desempenhos da unidade.

A oportunidade, que já é um sonho para todos os selecionados, parece ser ainda mais especial para os adolescentes de famílias humildes que jamais imaginaram sequer viajar para outro país, como é o caso de Allanis.

 

“Apesar de sonhar desde pequena, a gente têm ciência da nossa condição. Então, quando eles me convidaram, eu pensei: ‘Meu Deus, a Nasa é uma coisa tão distante’. E agora estou vendo chegar cada vez mais perto”, comemorou Allanis.

 

Aluna capixaba de 15 anos é selecionada para visitar a Nasa nos EUA

Aluna capixaba de 15 anos é selecionada para visitar a Nasa nos EUA

Ela e os colegas Luiz Felipe Kama, Heloísa Cavalcanti e Luiza Rubim são bolsistas na escola através do Instituto Ponte, um projeto que leva jovens talentosos às melhores escolas do Estado.

Os programas do Instituto atendem alunos a partir do 6º/7º ano do Ensino Fundamental de escolas públicas, oriundos de famílias de baixa renda. É necessário se inscrever e passar por um processo seletivo.

Luiz Felipe, por exemplo, saiu no ano passado de Marechal Floriano, no interior do Estado, após conquistar a bolsa de estudos. Filho de um barbeiro e de uma comerciante, ele sonha alto e acredita que ter sido selecionado para um projeto na Nasa é apenas mais uma das muitas conquistas que estão por vir.

 

“Eu já tinha na cabeça que queria fazer Ensino Médio em Vitória. Passei no Instituto Ponte e ganhei bolsa. A partir dali, comecei a imaginar que poderia conseguir mais coisas. Quero fazer a prova do ITA [Instituto Tecnológico de Aeronáutica], cursar Engenharia Aeroespacial e estudar fora do país”, contou.

 

 
Luiz Felipe é um dos selecionados para ir à Nasa — Foto: Arquivo PessoalLuiz Felipe é um dos selecionados para ir à Nasa — Foto: Arquivo Pessoal

Luiz Felipe é um dos selecionados para ir à Nasa — Foto: Arquivo Pessoal

Para arrecadarem o valor estimado para a viagem, cerca de R$ 30 mil, os estudantes organizaram vaquinhas na internet. Até a tarde desta quinta-feira (5), Allanis e Luiz Felipe já haviam arrecadado mais de R$ 24 mil cada um. Luiza recebeu mais de R$ 3 mil.

Já a aluna Heloísa abriu mão da oportunidade porque preferiu apoiar os amigos desta vez e tentar a convocação no próximo ano, quando ela ainda estará dentro da faixa etária escolar que pode participar do projeto. No lugar dela entrou a estudante Laysa Gilles Guidi, que é de Araguaya, distrito de Marechal Floriano, e também é bolsista na escola particular pelo Instituto Ponte.

A visita à estação espacial está marcada para outubro do ano que vem. Para os pais, a viagem vai representar um passo a mais na trajetória brilhante que esses alunos já têm. Alguns deles também são medalhistas nas Olimpíadas de Matemática e todos colecionam boas notas ao longo da vida escolar.

“A gente está acostumado, porque ele é muito bom aluno, mas é uma conquista nova. Ele sempre quis ir para a Nasa. A empolgação dele empolga a gente”, comemorou o pai de Luiz Felipe, o barbeiro Francisco Fábio.

G1

ENVIE NOTÍCIAS PARA O EMAIL
centralbaltashow@gmail.com
whatsapp Baltashow 63.984688254

Deixe seu comentário aqui:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da Baltashow Notícias e são de total responsabilidade de seus autores.